27 de junho de 2015

postheadericon Policiais Civis de Pernambuco planejam nova paralisação para o dia 2 de julho

Os policiais civis de Pernambuco decidiram realizar uma nova paralisação de 24 horas na próxima quinta-feira (2). Desta vez, a categoria deve contar com o apoio dos delegados, que não tinham participado das mobilizações anteriores. A decisão foi tomada em assembleias realizadas na manhã e na noite desta sexta (26), com a participação de representantes dos sindicatos das duas classes.
Serviços como emissão de documentos e registros de boletins de ocorrências devem ser prejudicados, assim como atividades no Instituto de Criminalística (IC), nas unidades do Expresso Cidadão e no Instituto de Identificação Tavares Buril (IITB). Só serão mantidos os expedientes no Instituto de Medicina Legal (IML), flagrantes levados até delegacias e investigações em locais de homicídios.
Entre as decisões comuns entre delegados, agentes, escrivães, peritos e peritos papiloscopistas, estão a entrega de jornadas extras de trabalho e a exposição de números diferentes dos divulgados pelo Governo do Estado a respeito da criminalidade. As ações de comunicação devem ocorrer, segundo as entidades sindicais, em locais de grande movimentação, como os eventos do Circuito do Frio.
“Roubos de cargas e de carros, por exemplo, estão aumentando, mas isso não é informado”, critica o presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol-PE), Áureo Cisneiros. “Tomamos a decisão de não participar de algumas operações que consideramos inadequadas, do ponto de vista da legislação. Os delegados são pressionados a aumentar o número de recolhimentos de presos, a elevar o valor de fianças e participar de operações relativas a crimes de menor potencial ofensivo”, comentou o presidente da Associação dos Delegados de Polícia de Pernambuco (Adeppe), Francisco Rodrigues.

No dia da paralisação, as duas categorias pretendem realizar um café da manhã em frente à sede da Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag). Depois, haverá uma passeata em direção ao Palácio do Campo das Princesas, no bairro de Santo Antônio, na área central do Recife. No local, os policiais civis pretendem oficializar a saída do Programa de Jornada Extra de Segurança (PJES).

Reivindicações
Os delegados pedem melhores condições de trabalho, a valorização da carreira e reajuste salarial, já que a remuneração atual é a pior da classe no País, conforme a Adeppe. No início do mês, a categoria decidiu engavetar novos inquéritos, priorizando os antigos. Já os demais policiais civis pedem a equiparação do adicional por risco de vida em relação ao valor pago aos delegados, que é de 225%. Os servidores também denunciam a falta de condições de trabalho e de profissionais.

Contraponto
Em resposta às queixas, a assessoria de imprensa da Secretaria de Defesa Social (SDS) informou que as estatísticas sobre a criminalidade no Estado estão ao alcance das entidades e da população, através do site da pasta, e que a divulgação dos números passa por um rigoroso processo de conferência até que se tornem públicos. Sobre as operações de repressão qualificada, a SDS informou que as ofensivas policiais são realizadas com o intuito de cumprir mandados de prisão.

Manoel Augusto 

0 comentários:

VER MAVA

VER MAVA

Berg Etiquetas

Berg Etiquetas

NG Tecidos

NG Tecidos

GPS - Administradora

GPS - Administradora

Cheiro e Chame Acessórios

Cheiro e Chame Acessórios

Ricardo

Ricardo


DISQUE 3719 4545

DISQUE 3719 4545
Para qualquer Informação

C & E F: 9319 6440

C & E F: 9319 6440
Fone 9716:8881

Arquivo do blog

Pesquisar este blog

Promoção Grátis

Insira seu Email Gratuitamente

Receba Nossas Novidades Via Email

Colaborador

Colaborador

Romero Leal

Romero Leal

Ligue 3741 1602

Ligue 3741 1602

Vereadora Rossana

Vereadora Rossana

Radio Toritama FM 104.9

Colaborador

Colaborador

Postagens populares

Seguidores

Atualizados