1 de julho de 2015

postheadericon Polícia Civil capacita profissionais contra pirataria "TORITAMA"

Desde 2012, já foram apreendidos R$ 24 milhões em mercadorias ilegais em Pernambuco. Somente em 2015, até agora, foram cerca de 162 mil produtos apreendidos, 13 toneladas em destruição e 24 pessoas presas, das quais apenas uma continua na prisão, as outras 23 conseguiram ser libertadas. Em todo o País, R$ 30 milhões são sonegados por ano. A ilegalidade vai além dos camelôs e não prejudica somente os fabricantes. Ela costuma envolver organizações criminosas de grande porte, prejudica a saúde do consumidor e os cofres públicos. Para conscientizar e capacitar profissionais da área de segurança pública, a Delegacia de Polícia de Crimes Contra a Propriedade Imaterial de Pernambuco (Deprim-PE) e o Fórum Nacional Contra a Pirataria e Ilegalidade (FNCP) promoveram nesta terça (30) no Recife um treinamento direcionado a profissionais da Receita Federal, da Secretaria da Fazenda, Procon, Gerência de Polícia Científica, entre outros participantes. 

No Estado, os maiores focos são, além da capital, Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste. O Recife é uma das quatro localidade do Brasil que contam com uma delegacia especializada. As outras são Rio de Janeiro, Brasília e Florianópolis (em implantação). Aqui são 15 policiais dedicados ao assunto, para cobrir todo o Estado. São Paulo, um dos maiores emissores de produtos ilegais do País, não possui uma delegacia específica dedicada ao assunto, o que dificulta o combate. 

O presidente-executivo da FNCP, Edson Luiz Vismona, ressalta que a compra e venda de mercadorias ilegais pode envolver uma série de malefícios: fraude no comércio, crime contra a saúde pública, associação criminosa, crime à propriedade industrial, receptação qualificada, violação de direito autoral, trabalho infantil, tráfico de drogas e armas, sonegação de impostos.

Os produtos ilegais dividem-se em falsos (cópias do original, mas com qualidade inferior), contrabandeados (de importação proibida, clandestinos), decorrente de descaminhos (importados sem autorização e sem recolhimento de impostos e taxas) e piratas (que não respeitam os direitos autorais).

O poder público, observa Vismona, também termina sendo um grande comprador de mercadorias ilegais, uma vez que se oferece e aprova um produtos nos editais de licitação, mas na prática entrega-se outros. São muito comuns casos de canetas, uniformes, toners de impressora com problemas. O especialista chama atenção particularmente para a difusão da venda ilegal de medicamentos na internet.

O delegado Germano Bezerra, da Deprim-PE, acrescenta que um dos grandes desafios é também conscientizar o consumidor. Ele lembra que quem compra produtos ilegais, além de ficar vulnerável a problemas de saúde, não tem direito a reclamar nem trocar.
NE 10

0 comentários:

VER MAVA

VER MAVA

Berg Etiquetas

Berg Etiquetas

NG Tecidos

NG Tecidos

GPS - Administradora

GPS - Administradora

Cheiro e Chame Acessórios

Cheiro e Chame Acessórios

Ricardo

Ricardo


DISQUE 3719 4545

DISQUE 3719 4545
Para qualquer Informação

C & E F: 9319 6440

C & E F: 9319 6440
Fone 9716:8881

Arquivo do blog

Pesquisar este blog

Promoção Grátis

Insira seu Email Gratuitamente

Receba Nossas Novidades Via Email

Colaborador

Colaborador

Romero Leal

Romero Leal

Ligue 3741 1602

Ligue 3741 1602

Vereadora Rossana

Vereadora Rossana

Radio Toritama FM 104.9

Colaborador

Colaborador

Postagens populares

Seguidores

Atualizados