Advertisement

8 de agosto de 2015

Temer diz que situação do país é 'grave' e faz apelo por união

Depois de conversar com líderes da Câmara e do Senado nesta quarta-feira (5), o vice-presidente Michel Temer, articulador político do Palácio do Planalto, afirmou que a situação do Brasil é "grave" e fez um apelo para que “todos se dediquem a resolver os problemas do país”. Em pronunciamento na sede do Executivo federal, ele ressaltou que o Congresso Nacional é capaz de unificar o país. Nesta quarta, para tentar evitar a aprovação das chamadas "pautas-bombas" no Legislativo, Temer chamou líderes do Congresso para reuniões em sua residência oficial e em seu gabinete do Planalto. Segundo a colunista Cristiana Lôbo, no café da manhã com senadores, o vice cobrou fidelidade e responsabilidade dos aliados nas votações do parlamento e alertou das consequências para a economia brasileira se o país perder o grau de investimento por parte das agências de risco.
Não tenho dúvida de que [a situação do país] é grave, e é grave porque há crise política se ensaiando, há uma crise econômica precisando ser ajustada. Mas, para tanto, é preciso contar com o Congresso Nacional, com vários setores"
Michel Temer, vice-presidente da República
No mês passado, a agência de classificação de risco Standard & Poor’s manteve a nota de crédito do Brasil classificada como "grau de investimento" , mas alterou a perspectiva para negativa. Com isso, o país ficou mais perto de perder o cobiçado selo de "bom pagador".
“Estamos pleiteando exata e precisamente que todos se dediquem a resolver os problemas do país. Não vamos ignorar que a situação é razoavelmente grave, não tenho dúvida de que é grave, e é grave porque há crise política se ensaiando, há uma crise econômica precisando ser ajustada. Mas, para tanto, é preciso contar com o Congresso Nacional, com vários setores”, destacou o vice-presidente em entrevista coletiva no Planalto.
Aos jornalistas, Temer disse ainda que, com a retomada das atividades legislativas no Congresso, agrava-se a crise política.
“Vocês sabem que, ao longo do tempo, tivemos sucesso na articulação política, mas, hoje, quando se inaugura o segundo semestre, agrava-se uma possível crise e nós precisamos evitar isso”, enfatizou.

'Crise desagradável'
Na visão do vice, se não houver união, o país pode entrar em uma “crise desagradável”. “É preciso que alguém tenha capacidade de reunificar a todos, de reunir a todos, de fazer esse apelo. Eu estou tomando essa liberdade de fazer esse pedido, porque, caso contrário, nós podemos entrar numa crise desagradável para o país.”
Questionado sobre quem seria capaz de unificar o país, Temer respondeu que esse papel caberia ao Congresso Nacional. Segundo o peemedebista, tanto a Câmara quanto o Senado preocupam atualmente o governo federal.
“Os brasileiros querem que o Brasil continue na trilha do desenvolvimento e, por isso, que, mais uma vez, reitero que é preciso pensar no país, acima dos partidos, acima do governo, e acima de toda e qualquer instituição está o país”, apelou o vice-presidente.
“Se o país for bem, o povo irá bem. É apelo que faço aos brasileiros e às nossas instituições, o Congresso Nacional”, complementou.
Michel Temer advertiu que a falta de coesão política no país resulta em "prejuízos" para o país. Para ele, "mais do que nunca", há necessidade de "harmonia" entre os poderes.
“Daí a razão dessa espécie de convocação no sentido de que todos trabalhemos juntos. A separação envolve prejuízos para o país. Eu tenho pregado com frequência a ideia de tranquilidade, de moderação, ideia da harmonia, especialmente harmonia entre poderes. Hoje, mais do que nunca, se faz necessária essa harmonia que tanto temos alardeado”, advertiu.
O vice também destacou o impacto da crise brasileira no exterior. De acordo com o peemedebista, se o país não tomar cuidado, pode haver uma repercussão negativa da imagem do Brasil fora do país.

Do G1
Compartilhar: Compartilhar no WhatsApp
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário