Advertisement

8 de outubro de 2015

A vez de Angelo

No dia 11 de fevereiro de 2005, o helicóptero do presidente Lula desceu na comunidade de Canaã, no agreste pernambucano, ao lado da cidade de Toritama; ele caminhou até grupo de crianças e agachou-se em frente a elas. Um fotógrafo captou a cena, e a foto foi publicada nos jornais. Ao vê-la, decidi visitar as crianças e, com base no que observei, escrevi carta ao presidente, sob o título ‘Estas crianças têm nome – como dar-lhes um futuro?’ Descrevi a realidade onde elas viviam, especialmente a escola onde estudavam, reconheci que o presidente ainda não era o culpado daquele triste cenário de penúria educacional e pobreza social, mas que seria o responsável se, dez anos após, o quadro se mantivesse; na carta sugeri dez medidas para mudar aquela realidade, seguindo linhas do projeto que tentei executar ao longo de 2003, quando fui ministro da Educação. Na semana passada voltei ao local e vi a tragédia resultante de dez anos de abandono da Educação e falta de políticas públicas consistentes para a emancipação dos pobres. A menina – na foto está bem em frente ao presidente – de nome Taciana, então com 6 anos, deixou a escola aos 14, engravidou aos 15 e aos 16 tem um filho com 1 ano e 2 meses, chamado Angelo Miguel. Seu irmão, conhecido como Cambiteiro, estava no grupo, mas não quis aparecer na foto. Fora da escola antes dos 15, tornou-se vigilante informal nas pobres ruas de Canaã, até ser assassinado. O menino chamado Rubinho, então com 7, para quem Lula parecia olhar, deixou a escola antes da 5ª série e, aos 17, tem um filho de nome Natan Rafael. Seu irmão Diego, que não aparece na foto por ser então muito pequeno, hoje com 15, já esteve preso; na cadeia foi jurado de morte pelos presos, esfaqueado, fugiu do hospital e desapareceu. Jailson, o que ri para o presidente, e Josivan, na ponta direita da foto, deixaram a escola antes de terminar a 4ª série. Jaques, então com 9, deixou a escola com 13; o menino conhecido como Nego, então com 8, não estudou e tem hoje dois filhos. Nesses dez anos, a vida daquelas crianças tornou-se monótona repetição de fatos e fracassos: todas deixaram a escola antes de concluir o Ensino Fundamental, fazem parte do exército de analfabetos funcionais que ocupa o País; todas foram trabalhar ao redor dos 15 anos, informais sem qualificação; tiveram filhos ainda na adolescência; nenhuma teve o futuro a que tinha direito ao nascer.

Dez anos depois carreguei nos braços Angelo Miguel, filho da Taciana, e me veio o triste sentimento de ver nele a repetição do histórico círculo vicioso que gira passando de pais para filhos, sem mudar o rumo do destino. E seria tão fácil, se garantíssemos escola com qualidade para todos de uma geração, como aquela de Canaã, dez anos atrás. Sem isto, agora é a vez de Angelo.

Cristovam Buarque é professor emérito da UnB e Senador pelo PDT-DF.

Do www.dgabc.com.br/Noticia/1593028/a-vez-de-angelo
Compartilhar: Compartilhar no WhatsApp
←  Anterior Proxima  → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário