5 de novembro de 2016

postheadericon MPF exige obras emergenciais na barragem de Jucazinho, no Agreste

Rachaduras na barragem de Jucazinho, em Surubim, no Agreste do Estado, representam perigo para a população. É o que alerta o Ministério Público Federal (MPF). O problema, denunciado ainda em 2004, se agravou, levando o órgão a cobrar soluções do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), vinculado ao Ministério da Integração Nacional. A recomendação é para o início de obras emergenciais em até 45 dias. O valor estimado para os reparos chega a R$ 50 milhões, ainda não assegurados. Apesar do quadro de seca, tendo a barragem atingido o colapso no último mês, estudo do MPF aponta o risco de rompimento da estrutura quando voltar a chover forte. O risco é de inundação para as cidades mais próximas.

“Observamos que a barragem deveria ser capaz de dissipar uma lâmina d’água de até seis metros de altura, mas apresentou falhas com apenas 1,5 metro, em virtude de graves danos na estrutura. A bacia de dissipação está repleta de fissuras e infiltrações e não se mostra capaz de sustentar a vazão de água do rio em período de cheia”, explicou o promotor Luiz Antonio Miranda, à frente do caso. Segundo ele, um estudo chegou a ser iniciado para a construção de um projeto de recuperação. “Uma equipe de engenharia avaliou a situação. No entanto, nada conseguiu sair do papel até hoje”, disse. Conforme Miranda, a União pode ser alvo de uma ação judicial por improbidade.

Construída em 1998, a barragem de Jucazinho tem capacidade para 327 milhões de litros. O quadro severo de estiagem levou o reservatório ao nível zero, afetando mais de 200 mil pessoas, em 11 cidades. Como alternativa, restou o abastecimento por meio de caminhões-pipa. A estrutura foi feita com o uso de tecnologia CCR (Concreto Compactado com Rolo), tendo 63,2 metros de altura e 442 metros de extensão. Pelo levantamento, existe um grande número de fissuras, comprometendo o paredão. De acordo com a Compesa, a retomada do Sistema Palmeirinha, interrompido há 15 anos, é a promessa de retorno de água nas torneiras dos habitantes da região. A obra, iniciada em agosto, tem orçamento na ordem de R$ 2,8 milhões.

O MPF convocou uma reunião de avaliação, para o próximo dia 17, quando será apresentado um plano de ação com os órgãos envolvidos. “A União precisa apresentar estratégias mínimas para garantir a integridade de funcionários e de toda a população, caso um acidente venha a ocorrer”, ressaltou o procurador Luiz Antonio Miranda. Procurado pela Folha de Pernambuco, o Dnocs não delegou representantes para comentar o caso. O órgão afirmou, em nota, que abrirá o processo de seleção da empresa que realizará o trabalho. Atualmente, os valores de mercado estariam sendo avaliados para, em seguida, ser lançado o Termo de Referência. Não foi informado prazo.

A Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac) também expediu notificação ao Dnocs sobre os riscos de possível rompimento da barragem. De acordo com o órgão estadual, como o período chuvoso do Agreste já passou, é provável que Jucazinho permaneça seco até 2017. A partir daí, não será possível garantir a segurança das pessoas.
 Da agencia Brasil

0 comentários:

VER MAVA

VER MAVA

Berg Etiquetas

Berg Etiquetas

NG Tecidos

NG Tecidos

PMDB

PMDB

GPS - Administradora

GPS - Administradora

Cheiro e Chame Acessórios

Cheiro e Chame Acessórios

Ricardo

Ricardo


DISQUE 3719 4545

DISQUE 3719 4545
Para qualquer Informação

C & E F: 9319 6440

C & E F: 9319 6440
Fone 9716:8881

Arquivo do blog

Pesquisar este blog

Promoção Grátis

Insira seu Email Gratuitamente

Receba Nossas Novidades Via Email

Colaborador

Colaborador

Romero Leal

Romero Leal

Ligue 3741 1602

Ligue 3741 1602

Vereadora Rossana

Vereadora Rossana

Radio Toritama FM 104.9

Colaborador

Colaborador

Postagens populares

Seguidores

Atualizados