7 de dezembro de 2017

postheadericon O futuro que queremos, a cidade de que precisamos


Nem só de frevo, suor e cerveja vivem os recifenses. Durante os últimos quatro dias, quem circulou pelo Bairro do Recife entrou em lua de mel com a nossa cidade. Foi como se a desesperança de resolvermos os problemas da violência, da precariedade dos serviços públicos e da falência do sistema político dessem lugar à disrupção criativa, à inovação inclusiva, à arte solidária. Compartilho, a seguir, alguns registros e impressões que tive das atividades de que participei.
Marés crescentes: aquecimento global e cidades inundadas. No painel, as mudanças climáticas e o aquecimento global estiveram no centro do debate. No vídeo abaixo, Francis Lacerda, meteorologista do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) alerta para o fato de Recife ser um hotspot do clima e das necessárias políticas públicas para proteger milhares de cidadãos.
Desse mesmo painel, participou o arquiteto italiano Arturo Vittori, cofundador da ONG Warka Water e idealizador da Torre Warka, que capta umidade do ar e a armazena como água potável, produzindo até 100 litros de por dia. O equipamento é feito de bambu e pode ser construído em até quatro dias, a um custo de 550 dólares. Embora não o tenhamos entrevistado, você pode conferir abaixo a apresentação de Arturo no TEDxFHKufstein, realizado na Áustria em 2016.
Paralelamente ao debate sobre a “cidade submersa”, num outro painel era debatida a “cidade seca”. Um dos convidados era o empresário Edilson Tavares, da Lavanderia Mamute, em Toritama, que inovou ao implantar uma estação de tratamento para reuso de água no seu negócio e hoje, como prefeito da cidade, procura levar sua experiência para todo o polo de confecções.
Permacultura e Enzimas orgânicas: como ajudar a cuidar das águas da minha cidade
Na sexta-feira (30), tive o privilégio de fazer parte de uma das oficinas da programação, a convite de Mikhail Veklenko, jovem urbanista russo e diretor da Urban Factory que veio ao Recife para compartilhar sua experiência na despoluição de águas de rios, lagos e esgotos por meio da utilização de enzimas produzidas a partir de lixo orgânico de doméstico. A solução é disruptiva não apenas pelo baixo custo, mas também por sua escalabilidade. Imagine, no caso de Pernambuco, que algumas centenas de cidadãos-voluntários recebam capacitação para produzir enzimas em suas comunidades, em diferentes longitudes do território estadual, e a introduzi-las no Rio Capibaribe. Qual não seria o resultado?


0 comentários:

VER MAVA

VER MAVA

Berg Etiquetas

Berg Etiquetas

NG Tecidos

NG Tecidos

GPS - Administradora

GPS - Administradora

Cheiro e Chame Acessórios

Cheiro e Chame Acessórios

Ricardo

Ricardo


DISQUE 3719 4545

DISQUE 3719 4545
Para qualquer Informação

C & E F: 9319 6440

C & E F: 9319 6440
Fone 9716:8881

Arquivo do blog

Pesquisar este blog

Promoção Grátis

Insira seu Email Gratuitamente

Receba Nossas Novidades Via Email

Colaborador

Colaborador

Romero Leal

Romero Leal

Ligue 3741 1602

Ligue 3741 1602

Vereadora Rossana

Vereadora Rossana

Radio Toritama FM 104.9

Colaborador

Colaborador

Postagens populares

Seguidores

Atualizados